Como é formado o sabor do café e como desenvolver seu paladar

Como é formado o sabor do café e como desenvolver seu paladar

Para quem começou no mundo dos cafés agora ou até quem já está há algum tempo nesse universo, permanece uma dúvida: como é formado o sabor do café? Quando você vai comprar um grão e está escrito que tem notas de laranja, por exemplo, de onde vem esse sabor? Algumas pessoas podem pensar que o café é saborizado, ou seja, adicionado de sabor de maneira artificial, mas não é o caso. Também não é o caso dos mais céticos que podem pensar que isso é uma “frescura”, uma mentira para vender mais. 

Compostos que moldam o sabor do café

Ao ser degustado, o café exibe sua jornada até a xícara: a começar pela escolha da variedade pelo produtor, sua origem, processamento, e tipo de torra, e terminando no modo que o café foi extraído. Cada um desses passos molda a presença dos compostos químicos, que são responsáveis pelos aromas e sabores de frutas, chocolates e caramelos.

Os atributos aroma, sabor, retrogosto, acidez e corpo são uma resposta a diferentes compostos químicos. Na mesa de cupping esses sabores são analisados por especialistas que verificam o sabor do café provando-o algumas vezes. 

Presentes em todos os cafés, os compostos não voláteis, como cafeína, ácidos clorogênicos, carboidratos e lipídios atuam como combustível para a constituição dos compostos voláteis.

– Cafeína muda a percepção de força, amargor e corpo de um café extraído. 

– Trigonelina contribui tanto para o aroma do café torrado e do café extraído.

– Carboidratos como as arabinogalactanas, mananas e celulose exercem o papel essencial de reter compostos voláteis do café, o que também contribui para o aroma. Em relação ao sabor do café, essas moléculas também são responsáveis pela viscosidade da bebida. A glicose e a frutose contribuem para a percepção da doçura do café.

– Lipídios atuam na textura do café extraído.  Eles são extraídos dos grãos e, no espresso, eles participam da produção da crema. Depois de torrado, os óleos do café migram para a superfície do grão (eles também mantém os compostos voláteis em seu interior).

– Melanoidinas são um produto das reações de Maillard que ocorrem entre aminoácidos e açúcares redutores. Moléculas grandes que dão a cor marrom do café  e contribuem com a textura e corpo da bebida.

Compostos voláteis

O diferencial no sabor do café está nos seus compostos voláteis, criados, principalmente, por transformações químicas durante o processo de torra. Os compostos voláteis determinam as variedades do café, as técnicas de processamento dos produtores, e as origens geográficas do café.

Existem mais de mil compostos voláteis no café após a torra. Mas são poucos os que contribuem para a percepção do aroma, de 20 a 30, sendo que é a relação entre eles que molda o aroma e o sabor do café.

Os compostos voláteis que existem no café são os mesmos presentes nos alimentos: ácidos carboxílicos, aldeídos, furanonas, piridinas, fenóis e muitos outros.

Como desenvolver seu paladar para reconhecer o sabor do café

Paladar é foco, pois é um sentido que pode ser enganado facilmente por fatores externos como o ambiente, a música, a companhia e até a cor da xícara. É preciso desenvolver um trabalho de concentração em cada sensação na língua e nas narinas. É por meio dele que você pode entender a correlação entre o café e outros alimentos, flores e frutas. Por isso, meditar pode te ajudar a expandir suas referências ao te ensinar a direcionar sua atenção.

Paladar é repertório, biblioteca sensorial que você desenvolve provando os alimentos utilizando essa técnica de foco. Você pode tentar notar os estímulos que o mel faz na língua, por exemplo, fazer associações com outros produtos naturais e observar sua aparência e textura.

Na sequência, você vai conseguir notar que os cafés são diferentes, aprender a apontar a diferença na doçura, acidez, amargor, corpo e qualquer outra característica que te chamou atenção, comparando-o a outros cafés.

É preciso desenvolver o paladar todos os dias, provando os alimentos e buscando aromas, sabores, cores, texturas, entre outros. Só assim seu paladar vai estar apto a entender a complexidade do sabor do café.

Exercício para fazer sempre 

Então, que tal exercitar seu paladar? Uma dica valiosa é fazer pequenos exercícios diários e comer com calma. Ao comer uma maçã, feche seus olhos, toque na casca, observe se é áspera ou lisa, sinta seu aroma, então corte um pedaço – agora com os olhos abertos – e sinta novamente seu aroma. Ao colocar na boca, primeiro experimente sua textura, envolva na boca, observe se é suculenta, firme, ou esfarela na boca, então siga percebendo seu gosto, mais ácido, doce, salgado? Finalmente, registre a sensação que deixou ao final, se foi prazerosa ou nem tanto, e faça isso com outros alimentos. Dessa forma, você incrementa seu repertório e estimula a percepção sensorial que contribui para novas descobertas ao saborear sua xícara de café.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Open chat
Como podemos te ajudar?