IMG_1232 (1)

Por que sua cafeteria deve usar leite vegetal

Com o crescimento do veganismo, além das alergias e intolerâncias à lactose (açúcar presente no leite), o leite vegetal tem ganhado espaço no gosto do consumidor. E claro que se a sua cafeteria trabalhar com essa possibilidade, você e seu negócio têm muito a ganhar em termos de atendimento ao cliente expertise.

Saiba que é sim possível fazer um capuccino delicioso usando leite vegetal, sem perder as características únicas do café especial utilizado. Porém, é importante encontrar o tipo que vai combinar melhor com as nuances do grão, para que ele não se sobreponha ao sabor do café.

Benefícios e variedades do leite vegetal

Além de atender aos veganos, alérgicos e intolerantes, o leite vegetal possui menos colesterol por não ser um produto de origem animal. Ele também tem uma variedade de sabores incrível. Então o consumidor pode buscar o que mais lhe agrada.

O mais comum é o leite de soja industrializado para ser usado em cappuccino e outros cafés clássicos. Mas ainda há a possibilidade de se fazer leite amêndoas, avelã, coco, castanha de caju, amendoim, aveia e inhame. 

Esses dois últimos dão origem a um leite vegetal com textura grossa. É indicado usá-los como base para smoothies.

Qual é o melhor leite vegetal para minha cafeteria?

Vamos analisar as opções e ponderar suas forças e fraquezas, de acordo com os testes feitos pela instrutora Flávia Schiochet, com diluições que variam para cada leite vegetal e que se for feito com outras receitas/diluições a análise abaixo pode não ser a melhor para o seu caso. 

Nos nossos testes usamos nosso café orgânico, de variedade Arara, cultivado a 1.300 m de altura, com notas mel e flor de laranjeira.

Leite de soja

Como base, é intuitivo ao menos ter o leite de soja. Mas não é sempre que ele cria uma boa textura com café, depende da destreza do barista, que precisa controlar bem o giro do leite na pitcher (leiteira usada para vaporização de leite), e da marca do leite.

Possui 75% mais antioxidante se comparado ao leite de vaca. Além de ser rico em gordura insaturada e fibra, esse é o leite vegetal que tem mais proteína. Tem gosto de nozes, não combina com cafés de notas frutadas.

Segundo Flávia Schiochet, nossa instrutora do Curso de Leites Vegetais, o melhor custo-benefício do leite de soja é comprá-lo industrializado, pois fazer é mais trabalhoso. “Enquanto os leites vegetais de oleaginosas precisam de um liquidificador, uma peneira cônica ou voil e água fervente, para fazer leite de soja, uma leguminosa parente do feijão, é necessário uma panela, deixar os grãos de molho, cozinhá-los, moê-los, e coá-los”, explica.

Leite de amêndoas

Tem um baixo teor proteico e sabor adocicado e é bom para beber sozinho. O leite de amêndoas não incorpora tão bem ao café quanto as outras opções. Esse leite vegetal combina com torras claras e não deve ser combinado com cafés mais ácidos.

Fizemos na proporção de 1g de amêndoas cruas para 4g de água.

Leite de aveia

Seu sabor é mais neutro, que não se sobrepõe ao café. Também combina melhor com cafés de torras mais claras. Esse leite vegetal é feito com aveia em flocos finas deixada de molho por meia hora e depois batidos no liquidificador. É estável em alta temperatura e cremoso, além de ser uma opção econômica para uso em cafeterias

Leite de coco

Mais cremoso e encorpado, o leite de coco tem uma textura mais similar ao leite animal, mas possui um sabor marcante e grande quantidade de gordura saturada. Na combinação com café pode apresentar um sabor que sobressai na bebida a ser preparada.

Fizemos na proporção de 1g de coco seco para 7g de água.

Leite de avelã e castanha de caju

Enquanto a avelã tem um sabor mais forte que marca mais no sabor do café, o leite de castanha de caju é mais suave.

O leite de avelã torrada foi feito na proporção de 1:6,5, e o de castanha de caju na 1:15.

Leite de amendoim

Tem a grande vantagem de ser mais econômico para uso na cafeteria, entretanto seu sabor é marcante (se for feito com amendoim cru), quando combinado ao café para o preparo do cappuccino, por exemplo. Já quando feito com amendoim tostado, e conforme a diluição em água, o sabor fica mais suave e pode ser uma boa combinação para o seu café. Um ponto negativo seria o fato de que algumas pessoas são alérgicas.

Proporção de 1:8, sendo que o amendoim foi levemente torrado.

Lembre-se:

É necessário testar o leite vegetal conforme o café que é usado na sua cafeteria. Faça a sua  receita de leite vegetal, avalie o resultado que irá encontrar na xícara. 

Nossa análise é com base no que testamos e pode ser diferente dos seus achados. 

Guia: saiba investir em negócios de café

Como fazer um leite vegetal

Conforme falamos anteriormente, é melhor adquirir o leite de soja pronto. Aqui vamos te ensinar a fazer os leites de oleaginosas. Essas dicas são da instrutora Flávia Schiochet.

1. Deixe a oleaginosa escolhida de molho por pelo menos quatro horas e descarte a água. Lave-as e, se estiver usando amêndoas, dê um choque térmico em água quente para soltarem da pele. 

Se estiver usando avelã, troque o processo de demolha pela torra em frigideira sem óleo ou no forno, sempre em temperatura baixa e mexendo com frequência para tostar homogeneamente e não queimar. Tire a pele esfregando as avelãs com um pano limpo e grosso. 

2. Coe a água da demolha e bata as oleaginosas com pouca água fervente para formar uma pasta. Acrescente água quente aos poucos para emulsionar líquido e gordura.

Utilize a proporção 1:1 (o suficiente para o liquidificador trabalhar) até o creme ficar homogêneo. Alguns liquidificadores precisam de um pouco mais de água e, se for o seu caso, despeje mais água fervente aos poucos enquanto bate. Ainda com o liquidificador ligado, acrescente o restante da água em um fio contínuo e bata por dois minutos ou mais. 

Água para café: como a água interfere no sabor final

3. Coe usando uma peneira cônica ou voil. 

O bagaço pode ser usado para receitas doces ou salgadas e pode ser congelado. 

Validade: de 3 a 5 dias em recipiente limpo e fechado na geladeira.

DICA! Quanto mais se tritura a oleaginosa, mais leite se obtém. Caso o leite vegetal seja algo central no seu negócio, invista em um bom liquidificador, com alta potência e rotação lenta, como os industriais.

Existem, a cada dia, mais opções no mercado de leite não lácteos e muitos contém estabilizadores. Também vale testá-los para ver como se comportam e se os seus clientes preferem esse resultado. 

Gostou desse conteúdo? Siga-nos no Instagram e no Facebook para saber mais.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Open chat
Como podemos te ajudar?